Com o Engenheiro Agrônomo temos a Segurança Alimentar

No Brasil, a segurança alimentar garante que todos tenham direito a alimentos básicos de qualidade, em quantidades suficientes, de maneira permanente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais. Tudo isso levando em consideração práticas alimentares saudáveis. O diretor técnico da AEACG, Fábio Schimdt, comentou mais sobre as ações eficazes de fiscalização e prevenção que garantem a chegada dos alimentos seguros até a mesa das pessoas.

Segundo ele, a fiscalização possui diversas esferas: municipal (vigilância sanitária), estadual (vigilância sanitária e Agência de Defesa Agropecuária do Paraná – ADAPAR) e federal (Ministério da Agricultura e Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA).

“Porém mesmo com todos esses órgãos, quem realmente tem competência para produzir o alimento seguro é o engenheiro agrônomo. Daí vem a importância da profissão!”, afirma Schimdt.

Apesar do grande número de órgãos de fiscalização que existem, não há como abranger todos os pontos que se encontram em divergência, como um uso errado de algum defensivo agrícola, agrotóxico, uma cultura que deveria ter usado um agrotóxico que não usou, presença de microtoxinas que são mais perigosas que agrotóxicos.

“A prevenção e fiscalização por parte dos engenheiros agrônomos deve vir de capacitar os profissionais para que produzam de uma forma sustentável e segura. Quando a produção é feita dentro de uma recomendação agronômica, existirá sempre o alimento seguro na mesa”, diz Schimdt.

Ainda segundo o engenheiro agrônomo, não há nenhuma parceria ou iniciativa de fiscalização firmada em nenhuma esfera (municipal, estadual e federal). Porém, o apoio às ações da associação acontece.

“Quando lançamos o simpósio de segurança alimentar a adesão foi imediata, tanto da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), como do Ministério da Agricultura e de todos os outros órgãos envolvidos. Todos abraçaram a causa, já que notaram um grande potencial nos agrônomos no que diz respeito à correção de eventuais erros que tenha no sistema”, afirma.

Fabio Schimdt
CREA 25.479-D