Integração Lavoura Pecuária Floresta

O Sistema Integração Lavoura Pecuária Floresta (ILPF) é um processo produtivo que possibilita o uso intensivo de uma área rural aproveitando todo o seu potencial e que envolve agricultura, pecuária e florestas, simultaneamente.

Segundo o engenheiro agrônomo Carlos Madureira, o processo pode ser introduzido em uma área que já esteja produzindo. As técnicas devem ser usadas após a análise do potencial da área e da região. O mais comum é aproveitar uma lavoura de plantio de grãos já em andamento e introduzir o plantio das mudas das árvores escolhidas conforme o projeto definido. Na sequência entram os animais na época e períodos adequados nas pastagens de forrageiras que foram plantadas após a cultura de grãos. “O processo todo requer acompanhamento constante para análise do desenvolvimento de todas as culturas implantadas, visando o máximo desenvolvimento de cada uma delas”, afirma Madureira.

Criação

Após a criação da equipe, é desenvolvido um planejamento baseado em análise de mercado, produtos, concorrentes e do modelo de negócios, desenvolvendo o que chamamos de MVP (sigla em inglês para mínimo produto viável), o qual pode ser testado em clientes “piloto” ou lançado direto no mercado, entrando em competição com concorrentes. Após essa fase, normalmente a startup busca investidores e parcerias para desenvolver e escalar o seu negócio.

Visão do Profissional

Para o engenheiro agrônomo e diretor social e de marketing da AEACG, Juliano Valenga, não há uma fórmula mágica para o sucesso de uma startup. “O que existe é uma boa análise e visão de mercado, formação da equipe, busca por diferencial de produtos e/ou serviços e aliança estratégica de parceiros”, afirma.

O que precisa ser melhorado

Alguns erros são comuns no “mundo das startups” e aumentam a medida que também cresce o número de pessoas querendo participar desse mundo. Valenga cita alguns exemplos de aplicação incorreta de má formação de startups: “Má formação da equipe inicial, o que causa desmotivação de alguns participantes chaves ou problemas futuros, falta de análise de mercado e principalmente concorrentes, onde é desenvolvido produtos ou serviços que já existem no mercado, falta de conhecimento sobre o público-alvo e sua ”dor”, falta de conhecimento sobre oportunidades relacionadas ao seu desenvolvimento, como por exemplo aceleração, investimento, parcerias, clientes, entre outras”.

Entrevistado: Juliano Valenga

CREA-PR 150904/D